UNIDADE 01 – INTRODUÇÃO À LIDERANÇA 

OBJETIVO 
Permitir que o aluno conheça os conceitos fundamentais da liderança, especialmente no contexto cristão. Apresentar e analisar a definição de liderança segundo John Haggai e Dave Kraft. Demonstrar que não é errado desejar exercer a liderança em um grupo desde que a motivação seja voltada para o benefício do próprio grupo; que a liderança é um ato de serviço e também uma jornada de constante aprendizado. 

CONTEDO 
1.1 Definição: o que é liderar? 
Praticamente todas as pessoas concordam que é importante que existam líderes. Entretanto, será que conseguimos dizer claramente o que significa liderar? Há uma grande diferença entre um “chefe mandão” e um líder. Do mesmo modo, sabemos que simplesmente gerenciar não é necessariamente liderar. 

John Haggai, considerado um grande líder no meio cristão, apresenta a seguinte definição para o termo “liderança”: “A liderança é o esforço de exercer conscientemente uma influência especial dentro de um grupo no sentido de levá-lo a atingir metas de permanente benefício que atendam as necessidades reais do grupo” (1990, p. 20). 

Podemos analisar algumas palavras-chaves presentes na definição de Haggai para aprendermos um pouco mais sobre o que significa liderar: 

1.1.1 Esforço 
Embora algumas pessoas manifestem naturalmente características de liderança, esta também requer um esforço consciente para que possa ser exercida plenamente. Isso porque a liderança normalmente exige sacrifícios pessoais. Um verdadeiro líder é aquele que está disposto a se sacrificar por seus liderados e para que os objetivos do grupo sejam atendidos. 

Muito mais do que um privilégio, a liderança é uma grande responsabilidade, pois o sucesso ou fracasso de um líder certamente influenciará a vida de muitas outras pessoas. No contexto cristão, podemos entender também que a liderança é um dom dado por Deus que, assim como os outros dons, deve ser desenvolvido para a glória do próprio Deus e para o serviço da igreja. Assim, alguém chamado por Deus pode e deve se esforçar para crescer e se aperfeiçoar no exercício da liderança. 

1.1.2 Influência 
Inevitavelmente, liderar significa exercer influência sobre a vida de outras pessoas. Como já foi dito, trata-se de uma grande responsabilidade. Por essa razão, é imprescindível que o líder tenha as motivações corretas. Jamais alguém deveria exercer a liderança em benefício próprio. Ao contrário, a liderança cristã implica, acima de tudo, disposição para o serviço. 

Somente alguém com as motivações corretas poderá exercer influência positiva e com os objetivos corretos na vida de outras pessoas. Quando alguém lidera para o benefício do grupo e não para si próprio, a influência é justificável. Caso contrário, torna-se pura manipulação em benefício próprio. 

1.1.3 Dentro de um grupo 
Não há líder sem liderados. Um líder conhece e convive com o grupo de pessoas que lidera. Uma maneira de se avaliar a liderança de alguém é observar quantas pessoas o estão seguindo. 

Um verdadeiro líder tem sua liderança reconhecida pelos demais; ela não é imposta, mas surge naturalmente quando o líder demonstra capacidade em conduzir o grupo para o alcance dos objetivos comuns. 

1.1.4 Atingir metas que atendam as necessidades do grupo 
Como já foi dito brevemente, o verdadeiro líder não lidera para os seus interesses, mas para que as necessidades do grupo sejam atendidas. Nesse sentido, a liderança é um ato de serviço. Lideramos para o bem do grupo e, no contexto cristão, para a glória de Deus. 

Kraft também expressa essa ideia ao apresentar sua definição de liderança: “Um líder cristão é um servo de Deus, alguém humilde, dependente de Deus, que trabalha em equipe e é chamado por Ele para pastorear, desenvolver, equipar e capacitar um grupo específico de crentes a fim de que alcancem uma visão consensual vinda de Deus” (2013, p. 26). 

1.2 Podemos desejar exercer liderança? 
Creio que todos concordariam que o ministério pastoral possui em si um caráter de liderança. Portanto, podemos analisar como exemplo os requisitos apresentados pelo apóstolo Paulo em 1Tm 3.1-7 para aqueles que almejavam esse ministério na igreja e aprender princípios aplicáveis também para a liderança cristã. 

[Reserve um tempo agora para fazer a leitura do texto bíblico indicado antes de continuar]. 

Em primeiro lugar, precisamos lembrar que, devido à constante perseguição, ser um pastor de igrejas no tempo do NT era uma posição de liderança que representava perigo de morte. Por isso, quando lemos a expressão “se alguém deseja ser bispo”, precisamos compreender que essa pessoa deveria ter consciência das responsabilidades e perigos inerentes a tal posição de liderança na igreja. 

Podemos entender também que a liderança, assim como o ministério pastoral, pode envolver simultaneamente um chamado e um desejo de exercer esse ministério em obediência ao Senhor. A liderança, especialmente no contexto da igreja, tem seus requisitos. Esses requisitos estão relacionados principalmente com o caráter, mas também incluem algumas capacidades técnicas. 

Hoje vivemos uma crise de liderança. Em geral, as pessoas (especialmente os jovens) não sonham, ou sonham com coisas banais em termos espirituais. Precisamos com urgência de líderes que almejem sonhos que venham de Deus e que compartilhem esses sonhos com outros para que juntos possam realizá-los. 

A ambição que se centraliza na glória de Deus e no bem-estar de Sua igreja não apenas é legítima como também é digna de louvor” (SANDERS, 1985, p. 9). 

1.3 Líder ou servo? 
É fato que a palavra “líder” aparece poucas vezes na Bíblia. Entretanto, o termo “servo” é utilizado muitas vezes. Ao lermos as Escrituras percebemos que muitos dos grandes líderes da história do povo de Deus foram reconhecidos como “servos do Senhor”. 

Vejamos, por exemplo, o caso de Moisés. Todos concordam que Moisés foi um grande líder do povo de Israel, certamente um dos maiores da história, se não o maior. Mesmo sendo um grande líder, muitas passagens mostram que Deus, por diversas vezes, dirige-se a Moisés como seu servo, e não como líder: Êx 4.10; 14.31; Nm 12.7; Dt 34.5 e Js 1.13 (faça a leitura das passagens indicadas). 

Sabemos que essa mesma ideia também está presente nos ensinos de Jesus, pois em Marcos 10.42-44 Ele apresentou a seus discípulos um novo padrão de grandeza: “Maior é aquele que serve” (SANDERS, 1985, p. 9). 

1.4 A liderança é uma jornada 
Conforme os textos de 1Co 9.24-27, 2Tm 4.7 e Hb 12.1-2, compreendemos que a liderança cristã é como uma corrida. Não como uma corrida de velocidade, mas como uma maratona. Enquanto um velocista pode terminar uma corrida de 100 metros rasos em apenas 10 segundos ou menos, uma maratona leva horas para ser completada e requer do atleta muito preparo e perseverança. 

Para completar uma maratona, não adianta apenas começar muito bem. É necessário manter um ritmo constante, pois o que vale é alcançar o alvo e completar a jornada com sucesso. Conforme Kraft, “o segredo não está em como você começa a corrida, mas sim em como você termina” (2013, p. 18). 

Assim, terminar bem é mais importante do que começar bem. Aplicando para o contexto da liderança cristã, o que significa terminar bem a corrida? Conforme Kraft isso pode incluir: 
  • Manter uma caminhada vibrante e rica com Jesus
  • Ter uma boa rede de relacionamentos que inclua pelo menos um amigo com quem conversar e abrir o coração; e 
  • Fazer uma contribuição duradoura e que honre a Deus nas áreas em que demonstramos paixão ou um dom natural

E então, você está disposto a encarar o desafio da jornada da liderança cristã? A igreja de hoje precisa muito de líderes com um coração voltado para o Senhor, dispostos a servir e a serem usados por Deus para abençoar muitas vidas! 

APLICAÇÃO
1. Com base no conceito de liderança apresentado, você crê que qualquer pessoa pode se tornar um líder? Quais seriam as condições necessárias para isso? 
2. Podemos dizer que o líder é mais importante que os demais? Por que as pessoas tendem a valorizar mais as posições de liderança? 
3. A partir do que aprendemos nesta Unidade, identifique alguns exemplos positivos e negativos de liderança presentes na Bíblia. Que fatores você acredita que foram determinantes para que tais lideranças fossem um sucesso ou fracasso? 
4. Que lições você acredita que pode aplicar em sua própria vida no exercício da liderança cristã? 

REFERÊNCIAS E SUGESTÕES DE LEITURA 
HAGGAI, John. Seja um líder de verdade: liderança que permanece para um mundo em transformação. Belo Horizonte: Betânia, 1990. 280 p. 
KRAFT, Dave. Líderes que permanecem. São Paulo: Vida Nova, 2013. 168 p. 
SANDERS, Oswald. Liderança espiritual: os atributos que Deus valoriza na vida de homens e mulheres para exercerem liderança. São Paulo: Mundo Cristão, 1985. 151 p. 

Liderança Cristã

Aprenda os princípios bíblicos para o exercício da liderança no contexto cristão